Frases

"Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens".
Fernando Pessoa

sábado, 14 de novembro de 2015

Primeira noite Floripa Instrumental 2015

Floripa Instrumental: improvisos, temas conhecidos e jam sessions marcam o primeiro dia


Fábio Peron, Thiago e Silvia na abertura do Floripa Instrumental, fotos Guilherme Zanini




                                                                        por Guilherme Zanini


O lindo fim de tarde da sexta-feira (13) serviu de prenúncio para o pontapé inicial do Floripa Instrumental. Pelo menos 400 pessoas foram até a Freguesia do Ribeirão da Ilha e puderam assistir apresentações de primeirssima linha. Logo na abertura, o show ‘Alma de Músico’ reuniu Thiago Espírito Santo (baixo), sua mãe Silvia Goes (piano) e Fabio Peron (bandolim). O resultado foi uma apresentação que emocionou a plateia por quase duas horas. No repertório, figuraram composições próprias, dentre elas ‘Conflito de Gerações’, de Silvia, um dos destaques da noite, que arrancou aplausos entusiasmados do público. No show, houve um equilíbrio entre as músicas executadas e os improvisos. Não houve excessos, algo que só ocorre com instrumentistas maduros. Os solos de Thiago no baixo demonstraram ao público de Florianópolis o porquê de ele ser um dos principais nomes do instrumento na atualidade. Seu domínio musical o credencia como um dos principais baixistas do mundo. Peron tira melodias e levadas empolgantes de seu bandolim de 10 cordas e a destreza de Silvia no piano arrancou aplausos diversas vezes.

No repertório do trio, também foram incluídos clássicos da música brasileira, tais quais ‘Carinhoso’, de Pixinguinha; e ‘De Volta Pro Meu Aconchego’, de Dominguinhos, ambas cantadas do início ao fim pela plateia. No bis, veio o ápice, com a tradicional ‘Tico-Tico no Fubá’. 







Pedro Martins e Felipe Coelho:
troca de informações musicais
abençoados pela Nossa Senhora da Lapa
foto Duda Hamilton
Logo após, foi a vez do show ‘Hora Certa’ , que contou com Felipe Coelho (violão), Tie Pereira (baixo) e Richard Montano (bateria). Residentes em Florianópolis, os três destilaram jazz, música brasileira e um quê flamenco. Considerado um dos grandes músicos da Ilha, Coelho fez jus à fama que tem conquistado de alguns anos para cá - em 2014, ele faturou o troféu de melhor instrumentista no Prêmio da Música Catarinense. A competência da performance apresentada e dos improvisos animou o público. Foi o debute de algumas músicas que estarão no disco ‘Hora Certa’, previsto para sair em breve.

Público  aplaudiu, dançou e curtiu o show Alma de Músico, foto Duda Hamilton


Acordes, solos e belas melodias invadiram a madrugada com a já tradicional jam session. Instrumentistas se revezaram no palco, cada um apresentando seu vocabulário, improvisando e fazendo boa música. Tudo ali, na hora. Um destaque foi quando Thiago Espírito Santo assumiu o baixo e Pedro Martins colocou a guitarra no colo. O jazz que tocaram antecipou o show de “Pedrinho” neste sábado (14). Considerado por muitos um dos mais talentosos de sua geração, o guitarrista natural de Gama (DF) sobe ao palco do festival logo mais, a partir das 21h.

Para muitas pessoas, o Floripa Instrumental já virou uma tradição. É o caso do casal Luiz Antonio Dantas e Jane Maria Cardoso, que moram no Campeche, mas que se mudam para o Ribeirão da Ilha durante o festival: “Nos hospedamos na mesma pousada dos músicos. É lá que conseguimos conhecê-los e ver coisas exclusivas. É quase como participar do making of do festival”, brinca Luiz Antonio.

O Floripa Instrumental é isso, uma confraria que se reúne em nome de um bem maior: a música.



A programação segue no fim de semana:

Sábado (14/11)

16h – Banda da Lapa

21h – Guitarrista Pedro Martins, vencedor da competição de guitarras do Festival de Jazz de Montreux

23h – Show com o Duo Rogério Piva (guitarra e bandolim) e Carlos Ribeiro Júnior (baixo e baixo acústico)
Depois Jam Sessions

  
Domingo (15/11)


A partir das 16 horas muito choro na Freguesia do Ribeirão da Ilha
Show Velha Amizade com o Duo Nailor Proveta (clarinete e sax) e Alessandro Penezzi (violão)
Geraldo Vargas (bandolim) e o Grupo de Choro Campeche, composto por alunos da Escola Livre de Música de Florianópolis.

Um comentário:

Lucas Prisco disse...

Privilégio nosso! Parabéns à iniciativa e aos talentosos músicos q tornam as noites do ribeirão mais agradáveis do que já são!